A Vida no Centro

Edson Franco

Franquezas

Edson Franco é jornalista com passagens por Folha de S.Paulo, revistas Galileu, Ele Ela, Guitar Player Brasil e IstoÉ e portal Terra. Atualmente é coordenador online do Canal Rural. Em quase todas essas publicações escreveu sobre música, fazendo críticas e entrevistando gente que vai de Wando a B.B. King. Músico diletante, toca guitarra nas horas vagas e discoteca em baladas de música brasileira dançante. É coautor do livro “Música Popular Brasileira Hoje” (Publifolha) e editor de “Zózimo Diariamente” (editora EP&A). Música é o centro da discussão aqui.

SPOTIFIVE #4 – Cinco vozes femininas que você não pode morrer sem conhecer!

Lista reúne descobertas cinematográficas, jazzista canadense, uma escandinava sexy e a mulher homenageada pela cachorra do blogueiro do A Vida no Centro

Como este é o último Spotifive antes do Dia Internacional da Mulher, resolvi retribuir o carinho com que cinco cantoras vêm tratando os meus ouvidos. Essas moças vão do sussurro ao grito e do gemido ao alarido sem sair do tom. Com suas vozes personalíssimas, elas despertam em mim a vontade de reencarnar como microfone. Vamos às vozes femininas:

 

1 – Rainy Day Woman – Kat Edmonson

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=im4U8749u8Y

Sou daqueles chatos que, quando ouve uma música bacana em um filme, fica vendo os créditos até aparecer o nome da canção e o “performed by”. Essa cena se repetiu quando assisti a “Café Society”, de Woody Allen. No meio do filme, rola “Mountain Greenery”, interpretada pela americana Kat Edmonson. Foi paixão à primeira ouvida. Ainda no corredor de saída do cinema, pesquisei o nome da mulher, baixei um disco e me deparei com a faixa acima. E aí, a paixão virou amor.

2 – Bienvenue dans Ma Vie – Nikki Yanofsky

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=zJS6q0rm7rc

A Wikipédia me lembra que foi na abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver, em 2010, que ouvi essa mulher cantando pela primeira vez. Na ocasião, ela interpretou o hino do seu Canadá natal. Passados sete anos, o Spotify fez os nossos caminhos cruzarem novamente. Mas agora, em vez de um hino chato (como todo bom hino, exceto o francês, tem de ser), ela me foi reapresentada cantando essa música, em que dá as boas-vindas à vida dela. Eu aceitei o convite, e não estou com a menor vontade de sair daqui.

3 – Laisse Tomber les Filles – April March

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=ljTQVyWJ8uA

De novo, o cinema coloca uma cantora na minha vida. Ao assistir “À Prova de Morte”, de Quentin Tarantino, esperei os créditos para descobrir quem era a cantora de “Chick Habit”. A moça assina como April March (seu nome real é Elinor Blake) e canta em francês e inglês. Aí notei que a versão francesa da música do filme do Tarantino era composta por Serge Gainsbourg e bem mais legal. A ponto de figurar no Spotifive.

4 – Now or Never – Lisa Ekdahl

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=b_zEWdzNths

Além dos carros considerados os mais seguros do mundo, a Suécia produz surpresas como essa mulher. Com muito suingue e suavidade, ela enquadra o sujeito que não se decide entre ficar com ela ou não. Veja o clipe, ouça a música e constate como o cara é vacilão!

5 – Incompatibilidade de Gênios – Clementina de Jesus

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=Da2xnqazFBY

Em qualquer lista que eu fizer das melhores vozes femininas da história, jamais vai faltar Clementina de Jesus. Ninguém como ela registra no gogó séculos de escravidão, dificuldades e esperança. Faz mais de 30 anos que ela nos deixou, mas seu canto continua ecoando e possibilitando novas descobertas. Tanto que não hesitei em homenageá-la na hora de batizar Clementina, a minha cachorrinha!

Leia outros posts do blog aqui.