Assine nossa Newsletterfique por dentro de tudo o que rola no centro

A Vida no Centro

Com 2,7 quilômetros de extensão e ligação com 11 outras ciclovias, a ciclovia da Avenida Paulista permite que o ciclista percorra vias exclusivas da Zona Oeste até a Zona Sul da cidade. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Quer saber como a Paulista foi fechada aos carros? Vídeos contam a história e seus conflitos

Webdocumentário realizado pela agência Smarty e a ONG SampaPé! mostra a mobilização para a Paulista Aberta, que fechou a avenida aos carros aos domingos e feriados

Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

A Paulista Aberta é hoje um sucesso na cidade de São Paulo, atraindo milhares de pessoas para a rua aos domingos e feriados. Mas poucos paulistanos conhecem a história e os conflitos por trás da iniciativa.

Para registrar esse momento histórico para a mobilidade urbana, a agência de vídeo marketing Smarty, em parceria com a ONG SampaPé!, produziu o webdocumentário Carros ou Pessoas? A Paulista Aberta e Uma Nova Visão de Cidade. São 44 minutos, divididos em cinco episódios: O império dos motorizados, Como a Paulista foi aberta para as pessoas, O papel do governo, Moradores são donos da rua? e Convivência.

A ideia surgiu quando Diego Monteiro, fundador da agência de vídeo marketing Smarty, e diretor dos vídeos, descobriu que a Paulista Aberta foi resultado de mobilização dos cidadãos.

Ele foi atrás dos vários personagens que colaboraram que a ideia fosse encampada pela Prefeitura, desde quem elaborou a abertura aos moradores da região, aos frequentadores e artistas que se apresentam na Paulista Aberta.

Paulista Aberta ainda tem conflitos

Os filmes mostram ainda o conflito entre os grupos que se opõem e apoiam a medida e com o próprio poder público.

Com direção e concepção de Diego em parceria com Letícia Sabino e Ana Carolina Nunes da ONG SampaPé!, e com edição de Pedro Fávero, a websérie poderá ser assistida no canal da Smarty no Youtube e nos links abaixo.

“Pretendo que as pessoas repensem as prioridades da cidade para se locomover mais a pé e também, percebam que têm o poder de se mobilizar para melhorar e se apropriar mais do espaço público”, diz Diego.

Leia também:

ECONOMIA CRIATIVA EMBALA A RETOMADA DO CENTRO DE SÃO PAULO

CITY TOURS PARA CURTIR O CENTRO DE SÃO PAULO: A PÉ, DE BIKE, DE DIA, À NOITE

QUER CONHECER MESMO O CENTRO DE SÃO PAULO? QUE TAL UM PASSEIO A PÉ?

SampaPé! foi a organização que, em 2014, decidiu dar início à mobilização pela abertura da avenida Paulista aos domingos, e contou com o apoio da organização Minha Sampa para reverberar a ideia.

A vitória veio em 2015, quando a Prefeitura de São Paulo concordou com o fechamento da avenida aos domingos e feriados, para que as pessoas pudessem usá-la para andar a pé – ou de bicicleta, skate, patins.

Aos poucos, ela foi sendo cada vez mais frequentada e hoje atrai milhares de pessoas e diversos grupos artísticos, em shows abertos e gratuitos.

Assista à websérie: