A Vida no Centro

Edifício Altino Arantes, antigo prédio do Banespa, será reaberto em novembro como Farol Santander
Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Altino Arantes vai reabrir como Farol Santander, um espaço cultural pra agitar o centro de São Paulo

Saiba como vai ser o centro cultural que ficará num dos edifícios mais icônicos de São Paulo e será dedicado a artes, entretenimento e empreendedorismo. Confira

Por Denize Bacoccina

O edifício queridinho dos paulistanos, o prédio que se destaca no skyline da cidade com sua bandeirinha listrada no topo está prestes a voltar aos seus dias de glória. Inaugurado em 1947 como símbolo de uma São Paulo capitalista, que havia enriquecido com o café, se industrializava a passos largos e crescia de forma acelerada, o prédio terá nova função, mais adequada ao século 21.

Antiga sede do Banespa, o Banco do Estado de São Paulo, o edifício batizado oficialmente de Altino Arantes, agora será chamado de Farol Santander, o banco espanhol que comprou o edifício quando junto com o banco estatal, em 2000.

A abertura, inicialmente prevista para novembro, foi marcada para o dia 25 de janeiro, aniversário de São Paulo. Desde o início de janeiro, foi instalada uma nova iluminação, vermelha, em lâmpadas LED, e projeções estão sendo feitas para chamar a atenção de quem passa. Elas acontecem, diariamente, entre 20h30 e 23h, até o dia 20 de janeiro.

Polo de economia criativa

O edifício que na década de 1940 ficava bem no coração financeiro de São Paulo, agora deve ajudar na reconfiguração do centro de São Paulo como um polo de economia criativa. “O Edifício Altino Arantes foi inaugurado na década de 1940 como um símbolo da São Paulo capitalista, no sentido de acumulação de valor, disse o presidente do Santander Brasil, Sérgio Rial, ao anunciar o novo projeto do banco, no início de agosto.

“Agora, volta a ter vida como Farol Santander, e trará um novo olhar para o Centro da cidade. Será um espaço plural, de conteúdo, com um desenho interno inovador e várias atividades diferentes”, afirmou.

LEIA MAIS:

CONFIRA 10 IMAGENS LINDAS DO JARDIM SUSPENSO DO EDIFÍCIO MATARAZZO

FOTOS DO IMS MOSTRAM A TRANSFORMAÇÃO DO CENTRO DE SÃO PAULO DESDE 1860

Ou seja, saem as poucas atividades administrativas do Santander que ainda restam no local e todos os 35 andares serão dedicados a atividades ligadas a entretenimento, cultura e empreendedorismo.

Arte no Farol Santander

Entre as funções do Farol Santander está a de abrigar e expor a enorme coleção de obras de arte do banco. Essa coleção foi herdada não apenas do Banespa, mas das demais instituições financeiras adquiridas pelo banco espanhol desde que chegou ao Brasil, em 1982. O Santander de hoje é resultado da aquisição de 53 bancos, direta ou indiretamente ao comprar o controlador de outras instituições menores.

Farol Santander, com nova iluminação e projeções na fachada

Farol Santander, com nova iluminação e projeções na fachada

O maior deles é justamente o Banespa, adquirido no fim de 2000 por meio de um leilão de privatização realizado pelo governo federal. Foi assim que o Altino Arantes chegou às mãos do Santander. Além de patrimônio imobiliário, muitas dessas instituições bancárias tinham grandes coleções de obras de arte, adquiridas diretamente ou como pagamento de dívidas.

Somente o antigo Museu Banespa tem cerca de 2 mil obras, muitas de artistas renomados como Di Cavalcanti, Cândido Portinari, Iberê Camargo, Arcângelo Ianneli e Tomie Ohtake, além de gravuras, fotografias e tapeçarias e uma coleção de móveis e objetos antigos, mecanografia bancária, documentos, moedas e cédulas que registram a história do dinheiro do Brasil.

Outros bancos adquiridos nas últimas décadas também tinham grandes coleções, como o Meridional, no Rio Grande do Sul, e o Bandepe, em Pernambuco. Este enorme acervo deve ser agora armazenado e exposto no novo Farol Santander.

História do Altino Arantes

O edifício que virou o símbolo de São Paulo nasceu, ironicamente, como uma cópia do Empire State Building, o prédio que mais se destaca no skyline de Nova York, cenário do filme King Kong. O então interventor e depois governador Ademar de Barros encomendou nos anos 1930 um prédio semelhante ao edifício nova-iorquino.

A diferença é que no topo da antena foi instalada a bandeira listrada do Estado de São Paulo. Em 1948 o prédio paulistano foi considerado a maior estrutura em concreto armado do mundo, pois outros edifícios altos da época eram construídos com estrutura metálica.

Durante 13 anos o edifício de 161 metros de altura foi o mais alto do Brasil, até perder o posto, em 1960, para o Mirante do Vale, do outro lado do Vale do Anhangabaú, a poucos metros do Altino Arantes. Foi nesta época, aliás, que a então sede do Banespa foi batizado de Altino Arantes, em homenagem ao primeiro presidente brasileiro do Banespa – no início o banco não era estatal, mas controlado por investidores franceses.

O mirante, o mais alto de São Paulo, com vista panorâmica que pode chegar a 40 quilômetros em dias claros, foi fechado ao público em 2015. Agora, será reaberto como Farol Santander.

Endereço: Rua João Brícola, 24