A Vida no Centro

Onde passear em SP: Mosteiro São Bento
Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Onde passear em SP: roteiro pelas igrejas históricas do Centro

Neste roteiro a pé, apresentamos uma sugestão de onde passear em SP, com visitas a igrejas no Centro que permitem conhecer muito da história de São Paulo – com cafés e lanchonetes no caminho para você descansar

São Paulo tem muitas igrejas. Algumas são bem famosas, como a Catedral da Sé, ou o Mosteiro de São Paulo. Mas há outras, menos conhecidas, que guardam histórias e obras de arte igualmente interessantes. O fogo destruiu boa parte dos acervos das primeiras construções, mas muitas resistiram parcialmente, e em restaurações posteriores muita coisa foi recuperada. Neste post mostramos a você onde passear em SP, com um roteiro a pé no Centro que permite conhecer muito da história de São Paulo – com cafés e lanchonetes no caminho para você descansar.

Onde passear em SP: roteiro a pé pelas igrejas do Centro

Apresentamos aqui uma sugestão de circuito com 11 igrejas no Centro de São Paulo, num passeio que pode ser percorrido a pé num domingo pela manhã, numa caminhada que começa no Largo da Liberdade e termina na Catedral da Sé, percorrendo boa parte do centro histórico de São Paulo. No caminho há vários cafés e lanchonetes que permitem uma pausa para descanso e reabastecimento.

O roteiro foi organizado pelo guia Isidro Navaes, que criou um roteiro batizado de Passos da Fé, e pode ser feito como uma jornada religiosa ou histórico-cultural.

Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

O passeio começa na Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados, ao lado do Largo da Liberdade, no bairro que a partir do início do século 20 virou a casa dos imigrantes japoneses no Brasil. A igreja recebeu este nome em homenagem ao cabo Francisco José das Chagas, o Chaguinhas. Condenado à forca em 1821 pela liderança em uma revolta de soldados, ele quase escapou da pena, já que a corda arrebentou duas vezes. O povo achou que era milagre e a devoção a Chaguinhas começou ali mesmo. Uma cruz foi erguida e velas foram acendidas. Há registros de que a igreja foi erguida em 1887, mas a primeira missa foi celebrada em 1891.

 

Interior da Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Interior da Igreja Santa Cruz das Almas dos Enforcados

Praça da Liberdade, 238 – Liberdade

Capela Nossa Senhora dos Aflitos

Capela Nossa Senhora dos Aflitos

Capela Nossa Senhora dos Aflitos

É tão pequena a capela Nossa Senhora dos Aflitos, no fim de uma rua sem saída, que os fiéis ficam em cadeiras ao lado do altar. Tem missas às segundas-feiras, às 15h. No local foi construído, em 1775, o primeiro cemitério de São Paulo, destinado inicialmente aos negros. A capela surgiu em 1779.

Rua dos Aflitos, 70 – Liberdade

Capela do Menino Jesus e Santa Luzia

Capela do Menino Jesus e Santa Luzia

Interior da Capela do Menino Jesus e Santa Luzia

Interior da Capela do Menino Jesus e Santa Luzia

Capela Menino Jesus-Santa Luzia

Capela erguida por Anna Maria de Almeida Lorena Machado, dama da sociedade paulistana, depois que ela sobreviveu a um naufrágio numa viagem de navio a Paris. Em estilo gótico medieval, a capela foi construída em 1901 e tombada como patrimônio histórico em 1994. Tem missa em latim todos os últimos domingos do mês.

Rua Tabatinguera , 104 , 

Igreja Nossa Senhora da Boa Morte ou da Boa Notícia

Igreja Nossa Senhora da Boa Morte ou da Boa Notícia

Igreja Nossa Senhora da Boa Morte ou da Boa Notícia

Construída em 1810 em taipa de pilão e adobe (tijolos de terra batida), a igreja em estilo rococó e barroco foi restaurada entre 2006 e 2010. Ao longo do século 19, a Igreja Nossa Senhora da Boa Morte era parada de escravos condenados à forca, que eram executados ali perto, onde hoje é o Largo da Liberdade. Ali, os condenados pediam à Nossa Senhora da Boa Morte, como o próprio nome sugere, uma “boa morte”.

No século 19 também era conhecida como a igreja das boas notícias. Com permitia avistar os que chegavam da Serra do Mar, seus sinos repicavam para anunciar as novidades e a chega de forasteiros. Era o lugar mais alto da região central de São Paulo naquela época. Fica aberta 24 horas.

Rua do Carmo, 202 – Sé

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Igreja Nossa Senhora do Carmo

Interior da Igreja Nossa Senhora do Carmo

Interior da Igreja Nossa Senhora do Carmo

Igreja Nossa Senhora do Carmo

A edificação atual foi erguida em taipa de pilão, entre 1747 e 1758. Entre 1772 e 1802, a Igreja Nossa Senhora do Carmo foi ampliada e ganhou um novo frontispício, executado por Joaquim Pinto de Oliveira, o “mulato Tebas”, escravo do mestre-de-obras Bento de Oliveira Lima, responsável por outras obras da arquitetura religiosa da São Paulo colonial. Em 1929, o templo passou por uma ampla reforma, sendo parcialmente reconstruído. Ainda tem imagens de santos com cabelos de verdade.

Avenida Rangel Pestana , 230 , Brás

Mosteiro São Bento

Mosteiro São Bento

Mosteiro São Bento

O local onde fica o Mosteiro de São Bento é o mais antigo de São Paulo, com ocupação ininterrupta desde é século 16. Foi fundado em julho de 1598, com a concessão de duas sesmarias pelo capitão-mor Jorge Correia. O colégio São Bento surgiu em 1903 e, em 1910, o mosteiro atual, projeto do arquiteto Richard Berndl, de Munique, Alemanha. Quatro anos mais tarde, em 1914, estava completo o conjunto beneditino que conhecemos hoje: a Basílica de Nossa Senhora da Assunção, o Mosteiro e o Colégio de São Bento.

Mosteiro São Bento

Mosteiro São Bento

Largo São Bento – Centro

Igreja Santo Antônio

Igreja Santo Antônio

Igreja Santo Antônio

A Igreja Santo Antonio é considerada a mais antiga igreja remanescente da cidade, tendo sido fundada no fim do século 16. Sofreu diversas reformas e intervenções nos últimos quatro séculos, sobretudo em sua fachada, reinaugurada em estilo eclético em 1919. Foi destruída por vários incêndios, mas o interior da igreja ainda conserva resquícios da arte produzida em São Paulo no período colonial.

Durante a restauração realizada em 2005 descobriu-se no forro do altar-mor pinturas murais seiscentistas de alta qualidade técnica e artística, as mais antigas de que se tem notícia em São Paulo. O altar principal, executado em 1780, é um belo exemplar da talha barroca. A igreja é tombada desde 1970, em virtude de sua importância histórica, artística e arquitetônica.

Praça do Patriarca, 49 – Centro

Igreja e Convento São Francisco de Assis

Igreja e Convento São Francisco de Assis

Convento São Francisco de Assis

O convento São Francisco de Assis foi construído em 1647 e a igreja contígua foi modificada em meados do século 18, quando recebeu a atual forma barroca. Em 1880 os dois prédios foram muito danificados num incêndio. Nessa época instalou-se no altar-mor um novo retábulo, trazido da Alemanha. As pinturas no teto curvo de madeira da nave foram refeitas em 1953, com cenas sobre a vida de São Francisco.

Largo São Francisco, 133 – Centro

Catedral da Sé

Catedral da Sé

Catedral Metropolitana de São Paulo

A catedral gótica projetada pelo professor da Escola Politécnica, Maximilian Hehl tem 111m de comprimento, 46m de largura e 65m de altura (exceto as torres). Foi construída para ser o espelho da fartura de nossos recursos materiais e uma escola de arte. Apesar do estilo, sua construção começou em 1912 e ela foi inaugurada em 1954, no aniversário de 400 anos de São Paulo, ainda sem as torres. Símbolos do poder econômico da metrópole estão presentes na construção: esculpidos em pedra, logo acima da porta, cacau, trigo e uva.

Interior da Catedral da Sé

Interior da Catedral da Sé

E espalhados pelo interior e exterior da Catedral da Sé encontram-se animais de nossa fauna como sapo-boi, tatu, tucano, lagarto e a garça. Os vitrais também chamam bastante atenção. Na cripta inaugurada em 1919, estão restos mortais dos bispos e arcebispos, além do cacique Tibiriçá, o primeiro cidadão de Piratininga, e do padre Feijó, Regente do Império.

Praça da Sé

Igreja São Gonçalo

Igreja São Gonçalo

Igreja São Gonçalo

Matriz Paroquial Pessoal Nipo-Brasileira São Gonçalo é o nome oficial desta igreja. Erguida em 1757 no local uma Ermida, dedicada à Imaculada Conceição e a São Gonçalo, que ruiu com o tempo. Em seu lugar, em 1840, foi construída a igreja,  com a fundação da Irmandade Nossa Senhora e São Gonçalo. Em 1893, foi entregue aos Jesuítas, que nela trabalharam promovendo as Congregações Marianas e a Catequese dos Japoneses.

Em 1966, Dom Agnelo Rossi criou a Paróquia Pessoal de São Gonçalo para os japoneses e seus descendentes e a confiou aos Jesuítas. A igreja de São Gonçalo, situada na Praça João Mendes, passou a ser a Matriz da Paróquia. Na época, havia na Arquidiocese cerca de 120 mil imigrantes e descendentes de japoneses, metade dos quais católicos.

Missa em japonês aos domingos, às 8h

Praça Doutor João Mendes , 108 ,Centro

Serviço:

O roteiro pode ser feito por conta própria, já que todos os lugares são públicos, ou no passeio Passos da Fé, organizado pelo guia Isidro Navaes. O e-mail de contato é: navaes@arlivreturismo.com.br

Leia também: Conheça Campos Elíseos e seus casarões antigos pelas lentes do fotógrafo Juan Esteves; veja fotos

Dica de passeio a pé no centro: roteiro permite vivenciar a história do café em São Paulo