A Vida no Centro

Circolo Italiano
Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Conheça o Circolo Italiano, um pedaço da Itália no Centro de São Paulo

A história do Circolo Italiano se confunde com a história de São Paulo; veja fotos e saiba mais sobre a associação, que tem várias atrações para você conhecer

Quem passa pelo Centro de São Paulo não tem como não notar um edifício alto, com a frente ovalada, bem na esquina das avenidas São Luiz e Ipiranga. A imponente construção de 46 andares e 151 metros de altura era o prédio em concreto armado mais alto da América do Sul em 1966, quando foi inaugurado. O que muitos não sabem é que lá dentro do Edifício Itália, seu nome oficial, pulsa um pedacinho do país europeu. O Circolo Italiano San Paolo, criado em 1911 por um grupo de imigrantes que se estabeleceu no Brasil, no local desde a construção do prédio e ainda hoje em plena atividade.

Em dois andares do edifício está instalado um restaurante com cardápio de receitas clássicas italianas, salão de jogos, salão de festas, biblioteca e ainda cursos de italiano, além de uma programação de palestras e exposições de obras de arte na Galeria Edmondo Biganti.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

O restaurante, aberto ao público, tem pratos tradicionais, como vários tipos de massa, polpetone, parmegiana de berinjela e capeletti in brodo, além de sobremesas como panna cota e tiramisu. Aberto diariamente para almoço, o restaurante funciona também nas noites de quarta-feira, com jantar dançante e música ao vivo. Além da comida, outro atrativo é a vista para a Avenida Ipiranga e a Praça da República, que também pode ser apreciada do terraço. Justamente no terraço, na esquina que dá para o antigo colégio Caetano de Campos, hoje Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, está a escultura de um cavalo em bronze – Il Cavallo Rampante – do artista italiano Pericle Fazzini, no local desde 1971.

O salão de festas e o bar, que funcionam somente em ocasiões especiais, ainda têm a decoração original da época, uma preciosidade para os apreciadores da arquitetura e designer do período modernista (veja fotos abaixo).

O Circolo tem ainda uma escola de italiano e uma biblioteca com centenas de obras para pesquisar ou praticar a leitura no idioma de Dante. E o Teatro Itália tem peças abertas ao público. E, para ser associado, não é preciso ser italiano ou descendente.

História do Circolo Italiano

A história do Circolo Italiano se confunde com a de São Paulo, especialmente da região central, onde se instalou em vários endereços antes do atual. Desde as últimas décadas do século 19 imigrantes italianos começaram a chegar em grande número ao Brasil, boa parte deles se estabelecendo na capital paulista, que enriqueceu com a exportação de café e queria se transformar numa cidade moderna.

Foi fundamental a contribuição dos italianos neste desenvolvimento – na indústria, comércio, na arquitetura, nas artes e especialmente na criação de uma culinária que trouxe sabores que acabaram formando o paladar do paulistano. Eram tão numerosos que chegaram a representar, nas primeiras décadas do século 20, um terço dos habitantes de São Paulo.

LEIA TAMBÉM
Conheça a história de Dona Veridiana, a poderosa da era do café

Em 1911, quando a cidade festejava a inauguração do Theatro Municipal – com a participação de italianos no projeto e na execução no teatro inspirado na Ópera de Paris – um grupo de italianos decidiu que a cidade precisava de um lugar onde os conterrâneos pudessem se reunir, celebrar suas tradições e ensiná-las aos filhos nascidos por aqui.

Sob a presidência de Ugo Conti e tendo como vice Carmine Pastore, o Circolo montou sua primeira sede à Rua São Bento, 85. Foi a primeira de várias, até culminar no endereço atual, ainda hoje um importante cartão postal de São Paulo.

“O Circolo Italiano nasce exatamente quando a cidade começa a se desenvolver e deixa de ser uma província para se tornar metrópole. Muitas das personalidades que passaram por aqui fizeram parte da construção da capital paulistana”, conta Daniela Policela, coordenadora do Circolo.

Integração

Imigrantes que haviam deixado um país ainda fortemente marcado pelas identidades regionais tornaram-se italianos na terra que adotaram para viver. “O clube exerceu um papel fundamental de integração dos povos italianos que, por não serem brasileiros e não falarem a língua portuguesa, eram barrados em muitos eventos da cidade”, diz Daniela. “Hoje há uma integração natural e todos os sobrenomes de presidentes e vice-presidentes do Circolo contam a história de São Paulo.”

Nesse período de mais de cem anos, a história do Circolo se mistura também com a história do Brasil. Durante a Primeira Guerra, por exemplo, 59 associados foram convocados para defender a Pátria na Europa. Muitos não voltaram. Mas o maior revés ocorreu durante a Segunda Guerra. A entrada do Brasil na guerra, do lado dos Aliados, levou a restrições, como a proibição de falar italiano em lugares públicos e a interdição das instalações do Circolo. O local só foi reaberto depois de oito anos e mudou para uma nova sede, na Avenida São Luiz. E foi ali que surgiu a ideia de aproveitar o terreno para a construção de um novo edifício, acompanhando as transformações que já aconteciam na região.

Veja fotos históricas da construção e como está o Circolo hoje:

Visitas ilustres

Não foram poucas as figuras de destaque, nacional e internacional, que passaram pelo Circolo durante os mais de 100 anos de existência. Ali estiveram presidentes da República, chefes de Estado, figuras da política, da cultura e da indústria. Em 1928, por exemplo, foi ali que o conde Francesco Matarazzo, na época o homem mais rico do Brasil e dono do maior complexo industrial da América Latina, comemorou seu 75º aniversário.

Ainda foram recepcionados no Circolo o aviador e governador-geral da Líbia Ítalo Balbo (1931), o poeta Giuseppe Ungaretti (1933), o cientista Guglielmo Marconi, inventor da radiotelegrafia e vencedor do Prêmio Nobel (1935), o ator Ermete Zacconi e sua companhia de teatro (1937) e a Condessa Edda Ciano, esposa do Conde Ciano, ministro do Exterior da Itália, e filha do ditador italiano Benito Mussolini.

Vários políticos italianos passaram pelo Circolo. Entre eles Susanna Agnelli (ministra das Relações Exteriores (1995), o primeiro-ministro Romano Prodi (1998), o presidente Carlo Azeglio Ciampi (2000) e o primeiro-ministro Silvio Berlusconi (2010).

“Depois de muito tempo, o Circolo ainda é o lugar onde as pessoas podem se sentir um pouco mais italianas, um pedaço da Itália em São Paulo. É onde encontramos uma culinária típica, pessoas que podem falar seu idioma de origem, principalmente os mais velhos, além de ter cursos de italiano, muita arte nos ambientes e estar instalado em um prédio histórico”, ressalta Daniela.

Endereço: Avenida Ipiranga, 344 – 1º e 2º andares

Telefone: (11) 3154 2900