A Vida no Centro

CalçadaSP

CalçadaSP

Wans Spiess e Tony Nyenhuis são publicitários e criadores do CalçadaSP, iniciativa de ativismo urbano com olhar artístico. Aqui, eles usam as calçadas do centro para caminhar sobre diferentes temas da região mais pulsante da cidade.

Nós vamos ocupar a cidade

Como ocupações urbanas criativas podem melhorar a vida nos grandes centros

Por Wans Spiess

Entre os dias 5 a 11 de novembro de 2018 milhares de pessoas participaram das atividades do MICBr – o Mercado das Indústrias Criativas do Brasil, uma iniciativa do Ministério da Cultura (MinC) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O megaevento tomou conta de toda extensão do corredor da Av. Paulista oferecendo diversas atividades que iam de atrações culturais, palestras, rodas de conversa até rodadas de negócios e discussões sobre políticas pública. Uma via privilegiada que potencializou o encontro de pessoas, ativistas, empreendedores e agentes governamentais, e que contou com a presença de oito países sul-americanos – Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, além do anfitrião Brasil.

O CalçadaSP foi convidado a participar do painel Mobilidade e Ocupação Cultural nos Centros Urbanos. Ao lado de André Palhano, um dos promotores da incrível Virada Sustentável, e de Manuela Colombo e Fabíola Molan, da Yellow – as recentes queridinhas bicicletas amarelas compartilhadas, conversamos sobre novas formas de viver, interagir e ocupar coletivamente o espaço urbano.

Painel sobre Mobilidade e Ocupação Cultural nos Centros Urbanos no MICBr

Painel sobre Mobilidade e Ocupação Cultural nos Centros Urbanos no MICBr

O que mais chamou nossa atenção foi a capacidade que cada um dos projetos tem de ir além do ‘que pode parecer’ seu propósito inicial.

Pra começar, a Virada Sustentável usa a arte como instrumento de reflexão e elabora sua programação buscando atender todos os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da ONU. Isso significa, sim, chamar a atenção para o meio ambiente, mas também trazer temas como diversidade, justiça social, educação de qualidade, entre outros.

Por sua vez, a Yellow assume o compromisso de não só apresentar as vantagens de utilizar a bicicleta como meio de transporte como também de educar para o uso consciente. Convoca as pessoas a “cuidar da cidade”, atuando com mensagens e promotores que ensinam a estacionar a bike de forma correta, boas maneiras de utilizar ciclovias, ciclofaixas e as próprias calçadas, dentre outras iniciativas.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

Já no CalçadaSP partimos da premissa de que #somostodospedestres. O convite democrático para caminhar ganha ainda mais força ao entender que a calçada conecta com os mais variados temas. Ao andar pelas calçadas você conhece a história da cidade, a arquitetura de seus prédios, cuida de sua saúde e, se prestar atenção aonde pisa, vai encontrar arte a seus pés.

Outro destaque vai para a força que os projetos ganham alimentando-se de contribuições vindas de universidades, voluntários, coletivos, empresas, poder público e, claro, dos próprios moradores da cidade. Participando diretamente da elaboração – como na programação da Virada Sustentável, atuando como potencializadores e protetores da idéia  – como os Guardiões Yellow, ou contribuindo diretamente com sua criatividade pessoal  – como no uso da #calçadasp, fica cada vez mais clara a importância da co-criação para as empresas e iniciativas que estão alinhadas com a nova economia, em especial na indústria da Economia Criativa.

O recado que fica desse encontro é de esperança. Quem faz a cidade é quem a ocupa e, portanto, precisamos ir para a rua e descobrir que há arte, conhecimento e mobilidade para compartilhar.

O convite está feito. Vamos?

Siga o CalçadaSP no Instagram (@calcadasp) e use #calçadasp para compartilhar suas fotos, elas podem fazer parte da galeria de calçadas do projeto.

Leia também: AS PESSOAS QUEREM OCUPAR AS RUAS (E ISSO É BOM)

2º DIÁLOGOS A VIDA NO CENTRO DISCUTE AS MUDANÇAS NA RELAÇÃO DAS PESSOAS COM A CIDADE