A Vida no Centro

Laercio Cardoso de Carvalho

Histórias de São paulo

Laercio Cardoso de Carvalho é guia de turismo cadastrado desde 1983. Com bastante vivência no Centro, criou vários roteiros temáticos e é o guia da Caminhada Noturna desde o seu início, em 2005. É professor no Senac nos cursos de formação de Guia de Turismo e nas Faculdades da Maturidade na PUC e na UNIP. Palestrante, é autor do livro "Quando Começou em São Paulo? 458 respostas pelo Guia de Turismo Laercio Cardoso de Carvalho”.

Igreja Santa Ifigênia: conheça a história da Basílica da Imaculada Conceição

O guia de turismo Laércio Cardoso de Carvalho fala sobre a história da igreja Santa Efigênia, que é oficialmente uma basílica.

Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Laércio Cardoso de Carvalho

Nas noites de 6 e 8 de dezembro a igreja de Santa Ifigênia está oferecendo, gratuitamente, apresentações de músicas eruditas como parte das comemorações da festa da Imaculada Conceição, padroeira dessa igreja. A festa acontece no dia 8 de dezembro, e até meados dos anos 1960 era feriado em todo o Brasil. Hoje somente nas cidades onde a Imaculada Conceição é a padroeira, como Campinas, Jacareí, Guarulhos. O que talvez cause alguma estranheza é saber que a igreja que conhecemos como de Santa Ifigênia é na verdade é a Basílica Nossa Senhora da Imaculada Conceição e também dedicada à Santa Ifigênia.

Tudo teve início em 1720 quando foi consagrada à Imaculada Conceição a primeira capela além do Anhangabaú, ou seja além do que chamamos hoje de “centro histórico”. Em 1794 foi construída uma igreja maior e, no ano seguinte, por ordem do príncipe regente D. João para lá foi transferida a irmandade de Santa Ifigênia e Santo Elesbão. O largo em frente à igreja, uma das ruas laterais e o bairro passaram a ser denominados Santa Ifigênia.

A outra rua lateral era a Rua Conceição, que desde 1953 passou a ser denominada Cásper Líbero, homenageando esse jornalista falecido num desastre aéreo em 27 de agosto de 1943, quando o avião que ia para o aeroporto Santos Dumont caiu nas águas da Baía de Guanabara.

O local escolhido para a homenagem não poderia ser melhor. Ali, naquela avenida, em 3/11/1939 ele inaugurou o Palácio da Imprensa. Foi o primeiro prédio projetado para sediar um jornal. A pedra fundamental foi colocada em 15/12/1937 e a construção realizada pelo escritório Severo & Villares, sucessores de Ramos de Azevedo. No hall de entrada, Fulvio Pennachi pinta o primeiro afresco em prédio comercial contando a história da imprensa desde os papiros até a impressão do jornal A Gazeta nas modernas rotativas. Cásper Líbero também foi o idealizador da corrida de São Silvestre e da prova ciclística Nove de Julho. Hoje no prédio está instalada a Justiça Militar.

Igreja Santa Efigênia

Em 1862 após reforma externa a igreja passou a ter estilo colonial. Em 1908 a igreja é demolida e começa ser construída a igreja que conhecemos, totalmente concluída em 1922. Projeto do arquiteto austríaco Johann Lorenz Madein. Um imponente templo externamente e muito bonito internamente. Pinturas decorativas internas de Gino Cattani, painéis de Benedito Calixto, Henri Bernard, púlpitos e confessionários em carvalho, vindos da França. A via sacra em alto relevo foi trazida da Europa em 1913. Em 1921 foi instalado um órgão com 3.500 tubos fabricado na Alemanha pela famosa Casa Waldeck, de Ludwingsburg. Infelizmente, hoje só com 500 tubos e não mais no coro, onde estava instalado. Vitrais confeccionados em Veneza no estilo gótico, em 1910. Enfim, tudo o que havia de mais nobre.

Por 30 anos funcionou como Catedral provisória de São Paulo, até 25 de janeiro de 1954 quando foi inaugurada a Catedral da Sé. Por ter sido uma catedral, nela havia uma cripta. Estiveram sepultados ali D. Duarte Leopoldo, falecido em 13/11/1938, primeiro arcebispo de São Paulo, e d. José Gaspar da Fonseca e Silva, que faleceu juntamente com o jornalista Cásper Libero no desastre aéreo em 1943. Quando da inauguração da catedral da Sé os restos mortais foram para lá transladados.

Hoje precisa de restauro e o vigário atual, padre Rizek, busca recursos para isso. Independente da crença religiosa, a igreja é um espaço a ser preservado, pois contem muitas obras de arte. Tanto que logo na entrada no lado esquerdo um banner relata essas obras de arte, contando sua origem e os autores.

As apresentações musicais que estão acontecendo em dezembro, além do prazer que proporcionam aos que apreciam a boa música, oferecem a oportunidade de conhecer um pouco da beleza da igreja.

Quarta-feira, dia 20 de dezembro, às 20h, para fechar com chave de ouro essas apresentações, será apresentada a Nova Sinfonia de Beethoven, com a orquestra completa e o coral.

Leia também: Histórias de São Paulo