A Vida no Centro

Francine Costanti

Olhar literário

Francine Costanti é jornalista, e seus textos - na maioria sobre cultura e entretenimento - já passearam por algumas redações de portais e agências. Como inspiração pessoal, a ideia aqui é explorar a cena de música e literatura do Centro de São Paulo, desde os contos literários de Mário de Andrade até as letras de Emicida. Esse espaço é feito para e por todos. Por isso fique à vontade para deixar sugestões.

Eles não cantam rock, mas poderiam! Relembre 10 músicos que esbanjam atitude rock’n’roll

Neste Dia do Rock vale lembrar que rock não é apenas um ritmo, mas uma atitude. E são muitos os músicos que, apesar de cantarem outros ritmos, têm uma atitude muito rock´n´roll. Conheça alguns

No dia 13 de julho comemoramos o Dia do Rock e há algo que não dá para negar: a cidade de São Paulo tem tudo a ver com o ritmo! E, claro, quem mora na cidade já está acostumado com essas figuras andando por aí, como é o caso de Supla e Nasi, vocalista da banda Ira!. São pessoas que sempre homenageiam São Paulo nas músicas e idolatram o estilo de vida da selva de pedra.

Leia: MÊS DO ROCK TEM SHOWS NO CENTRO CULTURAL SÃO PAULO TODO O MÊS DE JULHO

Mas hoje vou contar um pouco sobre alguns músicos (alguns ainda ativos) que eu admiro e que não se apropriaram do rock para serem reconhecidos, mas que mantêm o rock na veia de outra maneira, retratando a realidade de quem convive com problemas sociais, como preconceito, intolerância, violência e, claro, há aqueles que traduzem as belezas das cidades próximas de São Paulo.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

Portanto, se você quer conhecer mais personagens que são sintonizados com as emoções de viver numa grande cidade, se liga nessa lista e, depois de ler o texto, dê play em cada um deles. E se tiver alguma sugestão de música que não está aqui, deixe nos comentários do post!

Criolo

O rapper de 42 anos nasceu em São Paulo e é um dos responsáveis por trazer o rap de volta à cena paulistana. Com seu disco “Nó na Orelha” (2011), Criolo conseguiu sintetizar muito bem o cotidiano de quem vive na periferia. Numa mistura boa de samba-rock, afrobeat e reggae, o músico se consagrou com “Não Existe Amor em SP”.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=f35HluEYpDs

Emicida

Hoje Emicida pode ser visto no programa “Papo de Homem”, do canal a cabo GNT e já foi repórter do “Manos e Minas”, da TV Cultura e do “Sangue B”, na MTV. Isso mostra a importância de seu discurso na mídia. Em suas letras, ele destaca o amor que tem pela “quebrada” e fala sobre situações de racismo de enfrentou na trajetória.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=PwjuVJcayQ8

Adoniran Barbosa

Conhecido como o pai do samba paulista, Adoniran fala nas músicas sobre o prazer de se reunir com os amigos num bar para batucar, fumar um cigarrinho e levar uma vida boêmia, sem deixar de lado o lado romântico e galã que destruía corações e que também teve o coração partido. A famosa “Saudosa Maloca” conta a tristeza de três amigos que viram sua casa ser demolida e são obrigados a morar na rua.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=OrQIMUe2uBQ

Geraldo Filme

Morando na Barra Funda, Geraldo passava horas em rodas com os vizinhos cantando sambas ainda proibidos pela censura e foi por essa linha que ele seguiu. Geraldo participou de muitas manifestações dedicadas à população negra e que, até então, eram reprimidas. Foi um dos grandes protagonistas da organização do Carnaval em São Paulo.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=0A17UzabAcE

Racionais MCs

Fundada em 1988 por Mano Brown, Edi Rock e Ice Blue e o DJ KL Jay, a banda é uma das grandes influências para os novos artistas do hip hop. O disco “Sobrevivendo no Inferno” (1997) está entre os mais importantes da história da música brasileira. Nele, o grupo escreve crônicas sobre os dias violentos na periferia e os problemas sociais do país. Misturando samples de Jorge Ben com versículos da Bíblia, eles mostraram a qualidade musical do rap para a massa.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=goICQUk6NYk

Inezita Barroso

A cantora sempre teve paixão pelo folclore brasileiro (era professora de universidades sobre o tema) e pela música caipira. Foi uma das apresentadoras que mais permaneceu na TV, no famoso “Viola, Minha Viola”, da TV Cultura. Em suas músicas, Inezita cantava o amor pela vida simples no campo sem luxos e riqueza. Ouça “Marvada Pinga”, “Flor do Cafezal” e “Tristeza do Jeca”.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=HeMEMkgnbng

Itamar Assumpção

Com destaque maior na cena underground da São Paulo de 1980, o músico era reconhecido pelos óculos exóticos e letras inteligentes. Como parte de um grupo seleto de artistas, intitulado “Vanguarda Paulistana”, Itamar fazia um mix de samba, baião reggae e música experimental. Costumava incrementar as letras com jogos de palavras e rimas não usuais. Para conhecer mais, ouça “Pretobrás: Por Que Que Eu Não Pensei Nisso Antes?”, de 1998.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=a4NTP3wuSLI

Renato Teixeira

Consagrado com as composições “Romaria” e “Tocando em Frente”, Renato é um representante ilustre da música caipira brasileira. O músico consegue captar os sons da natureza e traduzir os sentimentos do homem do campo. É um grande defensor da música de raiz, conserva a paixão pela viola e sua carreira não tem apego comercial, um dos motivos que o faz estar nessa lista de atitudes rock’n’roll.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=s-k1b-QhQe8

Sabotage

Podemos dizer que o rap salvou a vida de Sabotage, porque foi depois de ter sido assaltante e gerente de tráfico que ele encontrou no ritmo a inspiração que precisava para recomeçar. Com seu único disco solo, “O Rap é Compromisso!” conquistou o público de São Paulo falando exatamente sobre a realidade que vivia, aquela em que os pobres e negros não têm vez. Da Favela do Canão para o mundo!

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=GA7LcSX8tYE

Negra Li

Por coincidência, Negra é a voz que aparece em “O Rap é Compromisso!”, de Sabotage. Poucos sabem, mas antes de cantar sozinha, Negra fez parte do grupo de hip hop RZO até 2004. No disco “Guerreiro, Guerreira”, de 2005, a cantora colocou seu nome na história do rap feito por mulheres e depois dela vieram outras, como Karol Conka, Flora Mattos e Tássia Reis.

https://home/wp_wm9wu9/avidanocentro.com.br.youtube.com/watch?v=Wy-3onzBWP0

Leia outros posts do blog Olhar Literário aqui.