A Vida no Centro

Copan - Bares, cafés e lojas
Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Copan: 12 atrações no edifício-símbolo de São Paulo

O grande S que se destaca na arquitetura de São Paulo já completou 50 anos e vem ficando cada vez mais jovem: conheça bares, restaurantes e lojas do Copan

post atualizado: 29/05/2019

Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer no início da década de 1950 como o maior edifício em concreto armado do país, o Copan deveria ser um presente a São Paulo na comemoração dos seus 400 anos, em 1954.

Na época, a cidade crescia e se transformava rapidamente numa metrópole, e o centro novo abrigava arranha-céus de arquitetura sofisticada. Mas as obras atrasaram e só começaram em 1957. O grande arquiteto modernista se desentendeu com os empreendedores por causa das modificações ao seu projeto original, foi construir Brasília e o edifício só ficou pronto em 1966, já nas mãos de outro colega, Carlos Lemos.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

Vocação do Copan

O curioso é que a ideia era fazer um complexo urbanístico no modelo do Rockfeller Center, em Nova York, com residências, comércio, teatro e um hotel. O teatro e o hotel não saíram do papel, mas com o tempo o Copan acabou consolidando a sua vocação para um empreendimento onde se misturam várias atividades.

Seus apartamentos misturam moradores de várias classes sociais, já que têm, em blocos diferentes, residências de 3 e 4 quartos e também quitinetes – embora os vizinhos não se encontrem nos corredores, pois os blocos são separados internamente, com portarias independentes.

Hoje o edifício, que já foi comparado a uma pequena cidade, se destaca não apenas pela arquitetura, com suas curvas que se insinuam graciosamente na paisagem urbana. A galeria é uma das mais interessantes do centro, com restaurantes modernos e outros que resistem ao tempo, um café que já tem mais de quatro décadas e, no último andar, um terraço que permite admirar a metrópole. E novos empreendimentos que abrem a todo momento, enriquecendo a cena gastronômica e cultural da região.

Confira aqui 12 lugares que valem o passeio.

Dona Onça

Bar da Dona Onça

Restaurante que já virou um clássico de São Paulo. Serve o que a chefe Janaina Rueda chama de cozinha boêmia: comida caseira, como estrogonofe, cuscus paulista, cozido, galinhada e arroz de bacalhau, além da feijoada aos sábados. Variada e criativa carta de caipirinhas. Tem mesas internas e na calçada, na agradável rua interna do Copan. Abre todos os dias para almoço e de segunda a sábado fica até o jantar.

Fel: bar com coquetéis e clima aconchegante

Fel: bar com coquetéis e clima aconchegante

Fel

Com entrada pela rua interna do Copan, na mesma calçada do Dona Onça, começou a funcionar no início de 2018 o Fel, um bar de drinques que se propõe a resgatar antigos coquetéis. O lugar é pequeno, apenas um balcão e algumas mesinhas, mas a iluminação baixa torna o local bastante aconchegante. Abre de segunda a sábado, a partir das 19h.

Eco Mercato

Eco Mercato

O espaço foi reformado e cresceu, oferecendo mais espaço e conforto aos clientes, mas o cardápio continua o mesmo. Restaurante de comida saudável com pratos caseiros com um toque moderno. Oferece várias opções de pratos do dia, como ensopado de carne, frango grelhado com legumes, risotos e massas e sempre tem uma opção vegetariana. O cardápio fixo oferece ainda omelete, quibe assado e opções veganas. Abre para almoço e café da manhã. Aberto diariamente. De segunda a sexta, das 7h30 às 22h, sábados e domingos, das 9h às 17h.

Galeria Pivô, do lado externo do Copan

Galeria Pivô, do lado externo do Copan

Galeria Pivô

Espaço de arte contemporânea autônomo e sem fins lucrativos, foi instalado em 2012 num espaço de 3.500 metros quadrados que ficou 20 anos fechado. Hoje funciona como uma plataforma para experimentação artística e curatorial e serve como um ponto de encontro entre os artistas e o público. A entrada é pela rua privada do Copan, ao lado da portaria do Bloco A, do lado mais próximo da Avenida São Luís. Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 13h às 19h. Para saber que exposições estão em cartaz clique aqui.

Café Floresta

A casa aberta nos anos 1970 vem angariando gerações de fãs com seu café forte, extraído de grãos moídos na hora. O café não tem mesas, mas um balcão onde se enfileiram as xícaras marrons de paredes grossas que recebem os espressos bem tirados, cappuccinos e cafés com canela. Não aceita cartão de crédito nem débito, apenas dinheiro. Aberto diariamente, até 0h30 de segunda a sábado e até às 23h no domingo.

Magg Café - Copan

Magg Café

Excelente parada em qualquer horário: para um cafezinho no meio da manhã, um almoço leve, um café com bolo de sobremesa ou um dos cafés especiais da casa a qualquer hora. A parede envidraçada permite apreciar o movimento na galeria interna do Copan. Tem um cardápio enxuto no almoço, com pratos leves como massas e saladas com quibe ou falafel assado. Tudo feito no local com ingredientes naturais e sem conservantes. As tortas e bolos são excelentes, com pouco açúcar e muito saborosos. E o atendimento é sempre muito simpático, mesmo no meio da correria. Aberto de segunda a sábado. Das 8h às 19h de segunda a sexta e das 9h às 15h aos sábados.

A Queijaria - Copan

A Queijaria

A filial da loja da Vila Madalena chegou ao Copan em abril. Tem 35 variedades de queijos de pequenos produtores nacionais, com o objetivo de fomentar o mercado de produção artesanal, selecionados com base em critérios técnicos de qualidade. A loja vende ainda vinhos nacionais e geléias artesanais. Além do balcão de venda, tem um mezanino onde oferece degustações, inclusive para grupos fechados, que podem permanecer no local além do horário normal de funcionamento, que é de segunda a sexta, das 11h às 20h e aos sábados das 11h às 18h.

O Chá Lá - Copan

O Chá Lá

A loja de chás fica no segundo andar do Espaço Jana Ferraz, salão de beleza à direita de quem entra pela Rua Araújo. A O Chá Lá  foi montada em março por Arol Nogueira, que vende as ervas importadas em combinações clássicas ou criadas por ele e também prepara coquetéis com ou sem álcool usando os chás ou destilados coloridos com ervas ou frutas secas. Um deles é o gin tônica azul, com gin infusionado com a flor de cunhã. Funciona de segunda a sexta, das 9h às 19h.

Holandês - Copan

O Holanddês Hamburgueria

Hambúrguer artesanal do tipo smash, ou prensado na chapa, com um tamanho que permite comer sem se lambuzar todo. Tem várias opções no cardápio, com cebola crispy, caramelizada, picles, relish de pepino e vários tipos de queijo. Tem ainda hot dogs, também feitos com salsicha artesanal, mas o destaque são as batatas fritas: temperadas e crocantes. Entrega o que se propõe: um hambúrgurer com ingredientes artesanais, sem frescura. O conceito se estende ao salão: a decoração em estilo industrial é agradável, mas os bancos altos sem escosto não são confortáveis para ficar e tomar uma cerveja. O negócio é sentar, comer e seguir.

Padaria Santa Ifigênia

Padaria Santa Efigênia

Padaria num ambiente agradável com paredes envidraçadas e entrada pela Rua Araújo. Bastante concorrida para o café da manhã nos fins de semana, fica lotada de jovens casais ou grupos que moram na região. Tem um buffet por quilo com tapiocas, pães e frutas, e também com cardápio com todos os clássicos, como misto quente, pão de queijo na chapa com requeijão e outros. Bom também para um café da tarde ou jantar. Tem restaurante por quilo no andar de cima. Também tem ótimos pães, doces, salgados, recheados, para levar para casa. Aberto diariamente, das 6h às 22h40.

Paulo Sergio Baptista Pereira, da locadora Video Connection

Locadora Vídeo Connection

Uma raridade que ainda resiste, em plena era do streaming: uma locadora de vídeos, com DVDs físicos que são retirados e entregues na loja. A rede iniciada em 1985 por Paulo Sergio Baptista Pereira foi diminuindo até restar apenas a unidade do Copan, onde ele guarda uma coleção que atende aos fãs do cinema de arte e também aos fãs do terror, que não encontram seus filmes preferidos nos fornecedores online. Também tem filmes em VHS. Aberta de segunda a sábado, das 11h às 21h.

Mirante

Depois de aproveitar as atrações do térreo, nada melhor do que subir ao terraço e olhar a cidade lá de cima. Para isso, basta se dirigir ao Bloco F, às 10h20 e 15h20, de segunda a sexta, preencher o caderno de visitantes e pegar o elevador que leva até o 32º andar. Depois é preciso ainda subir um lance de escadas e pronto: a selva de concreto se descortina perante o visitante. E a surpresa: tem mais verde e arte do que as pessoas pensam.

Para ver uma galeria de fotos, clique aqui.