A Vida no Centro

Publicado em:
Tempo de leitura:5 minutos

Grafites em SP: Minhocão, uma galeria de arte a céu aberto

Cada vez mais o Minhocão vem se convertendo em área de lazer. Além atividade física, passeio inclui vista privilegiada de grafites nos prédios. Veja fotos

atualizado em 01/11/2020

O cinza dos prédios vem cada vez mais dando lugar ao colorido dos grafites em São Paulo. E o Minhocão, importante corredor de ligação do trânsito entre as zonas leste e oeste, vem se transformando numa galeria de arte a céu aberto.

NEWSLETTER

Assine nossa newsletter para ficar por dentro de tudo o que rola no centro

E com a reabetura do espaço para os pedestres, podemos voltar a apreciar os trabalhos dos artistas que usam o espaço como suporte para suas obras.

E ainda, quem passar pelo local nesta primeira semana de novembro, pode ver o mais badalado muralista brasileiro, Kobra, realizando um painel num prédio bem no início do Minhocão em Perdizes, do lado direito de que vai em direção ao Centro.

Obra do muralista Kobra em execução no Minhocão, perto do Largo Péricles

Nos horários de fechamento ao trânsito, é grande o número de visitantes durante toda a extensão do Minhocão. São muitas as atividades de lazer praticadas no local: caminhada, corrida, skate ou bicicleta são as mais comuns. Outros preferem caminhar com os cachorros e há ainda os que fazem exercício pra valer. Nos dias de sol há também os que aproveitam a laje para colocar a Vitamina D em dia ou apenas para sentar e bater papo com os amigos.

Grafites no Minhocão

Algumas obras estão no local há vários anos e já sofrem com a ação do tempo. Outras tiveram vida curta, como o painel homenageando artistas trans, que já foi apagado. E novos trabalhos foram incorporados nos últimos meses, como os dos artistas Speto e Hanna Lucatelli, no ano passado, e agora, já durante a pandemia, os trabalhos de Rimon Guimarães e Ronah Carrara.

Pindorama, obra de Rimon Guimarães numa empena de 777 metros quadrados no Largo do Arouche (veja foto na galeria) foi realizado com uma tinta especial que filtra o ar, num processo semelhante à fotossíntese.

Obra Pindorama, de Rimon Guimarães, com tinta especial que filtra o ar. Do lado direito, murais de Felipe Morozini

Apesar de o Minhocão ser um local relativamente seguro, pelo grande número de pessoas que circulam por ali – especialmente nos fins de semana-, é preciso tomar cuidado com o celular na hora de tirar as fotos. Existe vigilância policial no elevado mas como a via é grande é preciso ficar esperto (como, aliás, em toda a cidade).

Veja as fotos: